Translate

domingo, 13 de março de 2011

Álbum de figurinhas

Ao longo da minha vida tenho criado várias teorias, e costumo compartilha-las com os mais próximos. Uma delas é sobre o Álbum de Figurinhas.

Adoro analogias e metáforas, e esta é particularmente uma das minhas favoritas.

Quando criança, eu adorava figurinhas e, consequentemente, seus respectivos álbuns. Tive álbuns diversos - Rei Leão, Pokemón, Copa do Mundo... - mas creio que nunca completei nenhum deles. Isso nunca me frustrou, porque sempre havia um novo álbum a ser completado, e rapidamente eu esquecia o antigo. Às vezes o encontrava no fundo de uma gaveta velha, folheava suas páginas, e guardava em seguida.

Infelizmente, minha vida costuma ser semelhante ao Álbum de figurinhas.

Sempre acreditei que as pessoas fossem insubstituíveis, assim como as figurinhas.

Quando as conquistamos e colocamos em seu espaço reservado, as contemplamos e nos orgulhamos de tê-las ali. Exibimos aos outros, esperando ouvir elogios. Claro, damos atenção privilegiada às especiais - aquelas que foram obtidas com maior dificuldade, nem sempre as mais bonitas... - e nos enfadamos com as repetidas. Trocamos. Destrocamos. Mas nunca pelas mesmas, porque apesar de parecidas, elas não são efetivamente iguais.

Por fim, trocamos de álbum.

Sempre tive dificuldade em manter mais de um álbum; ou concentrava todos os meus esforços em manter um, ou não tinha nenhum. Infelizmente, meu ciclo de amizades também era assim.

Admirava aqueles que conseguiam manter contato com pessoas durante tanto tempo seguido! Eventualmente, eu conseguia entrar em contato com amigos distantes - mas em seguida, eles desapareciam outra vez! Como uma rápida folheada em álbum antigos, para matar a saudade...

Por mais difícil que seja admitir a metáfora, ela existe: sim, eu crio Álbuns de Figurinhas. Gostaria muito de tê-los completado, de admirar minhas figurinhas com mais frequência... Mas é tão difícil!

Agora estou montando um novo Álbum. Ao longo do tempo, aperfeiçoei minhas técnicas. Estou tentando mantê-lo vivo, e não pretendo deixar que o tempo o faça perder sua importância. Se possível, trarei algumas figurinhas antigas para colar nele...


Ocorreu um erro neste gadget