Translate

sábado, 2 de julho de 2011

Premonições sobre um bombom infestado


Há tempos venho refletindo sobre escrever este artigo ou não. Mas resolvi que é mais do que uma obrigação divulgar sobre este tipo de situação, já que todos estamos sujeitos a ela diariamente.

Alguns anos atrás, quando ainda desfrutava dos bons momentos do Ensino Fundamental, meus amigos e eu tivemos de bolar uma apresentação criativa na escola, sobre alimentação. Na época estavamos estudando sobre carboidratos, lipídios e vitaminas. Decidimos que faríamos bombons de mentira e distribuiríamos para as pessoas: nestes bombons haveria a mensagem: "Não coma este bombom", e explicaríamos sobre todos os maleficíos que as gorduras trans e os conservantes fazem para nosso organismo.

A apresentação foi um sucesso. Claro que um ou outro desavisado acabou com a boca cheia de papel, mas mesmo assim fomos bastante elogiados. Bons tempos aqueles.

Alguns dias atrás me recordei dessa apresentação. Isso porque não segui meus próprios conselhos e ao longo dos anos, continuei comendo - e como - bombons e outros engordativos mais.

Eis o que se passou.

Após um dia de trabalho, fui até uma loja e comprei um dos meus bombons favoritos - até então: Serenata de Amor branco. Um não, dois. Afinal de contas, o que é um bombom não é? Umas poucas gramas de felicidade?

Comi o primeiro enquanto atravessava a rua em direção ao ponto de ônibus. Quando consegui sentar no banco do veículo, peguei o segundo bombom. Carinhosamente desenrolei o papel branco.

Eu poderia passar horas descrevendo minha reação, e mesmo assim não seria suficiente para demonstrar o misto de nojo/decepção/surpresa/... que me acometeu quando ela e eu nos vimos pela primeira vez.

Ela: a larma/lesma/quaseverme que estava monstruosamente saindo de dentro do bombom.

Desculpem os fortes de estômago, mas os pouparei dos detalhes. Mesmo porque, não passei muito tempo analisando esta imagem assustadora: limitei-me a enrolar o bombom da mesma forma e devolvê-lo a sacola.

Surpreendo-me com minha reação. Os mais próximos apostariam que eu teria gritado, atirado o bombom longe, e os mais exagerados apostariam em um desmaio. Obvio que eu não fiz nada disso. Mesmo porque, um bombom infestado para muitos é visto como um blhete premiado em uma lotérica.

Passei o percurso até minha casa refletindo. E agora? O que será que deve ser feito? Tentei desviar o pensamento, já que eu comera um dos bombons e isso me fazia ter uma vontade imensa de vomitar.

Quando cheguei em casa e compartilhei com minha família, todos foram acometidos por uma crise enorme de risos: todos sabem que eu sou uma chocólatra extremamente fiel, e que parecia piada que logo EU tivesse encontrado o bombom infestado. Minha mãe comentou que eu tive sorte, porque muitas pessoas simplesmente desembrulham o bombom e o colocam na boca sem ver! Pelo menos, sempre tive o hábito de ver o que coloco na boca...

ARGHT!

Minha irmã de imediato me orientou a ligar no SAC. Como era final de semana, não consegui falar com ninguém. Contei para minha outra irmã e ela me enviou inúmeros sites de outras pessoas que tiveram o mesmo infortúnio que eu.

Enviei um email para a empresa, que em alguns dias me ligou. A atendente perguntou o que havia acontecido. "APENAS um bombom estava infestado?"

MINHA NOSSA! Quantos bombons deveriam estar?

Simplesmente dei risada, e deixei claro que não tinha a menor questão de receber outros chocolates como consolação. Afinal de contas, QUANDO que eu vou ter coragem de comer algum outro tipo de chocolate que provenha dessa empresa?

Alguns dias depois, os representantes da empresa vieram até minha casa e levaram o bombom. O tempo passou, eles ligaram em casa algumas vezes - coincidentemente nos períodos em que eu estava trabalhando ou estudando. E tudo ficou por isso mesmo. Mandei um email perguntando se havia alguma resposta: afinal de contas, mereço NO MÍNIMO esclarecimentos, até para que eu pudesse publicar e colocar "como resposta da empresa". Mas não aguentei esperar tanto tempo, e resolvi compartilhar minha história com vocês. Afinal de contas, todos ficarão precavidos e darão uma olhada antes de saírem engolindo seus bombons...

A seguir, alguns outros afortunados que passaram pela mesma situação:

http://www.reclameaqui.com.br/1136596/chocolates-garoto/larvas-no-bombom-serenata-de-amor/

http://www.reclameaqui.com.br/1003448/chocolates-garoto/verme-no-serenata-de-amor/

E se algum dia tiverem uma premonição como essa... levem a sério.

3 comentários:

  1. Anteontem recebi um telegrama da empresa, pedindo que eu entrasse em contato. Liguei para eles hoje. Fui MUITO BEM ATENDIDA, as atendentes me trataram como uma celebridade - mesmo. Infelizmente não puderem me enviar a resposta por escrito, mas de qualquer forma acho importante postar os esclarecimentos...

    Pelo que me foi dito, foi feita uma análise do bombom e eles descobriram que a larva - VIVA - era de uma espécie "x" (obvio que eu não decorei), que se manifesta em alimentos a base de farinha e derivados.

    Eles pesquisaram e descobriram os ciclos de desenvolvimento da larva. De acordo com a numeração do lote e data de validade, a empresa calculou que a larva se desenvolveu após sair da fábrica, durante o processo até chegar ao mercado. Esta espécie de larva tem a capacidade de "perfurar" a embalagem do bombom.

    A atendente esclareceu ainda que para que tenha acontecido a contaminação, é provável que o produto não tenha sido armazenado de acordo com as rigorosas regras estabelecidas pela empresa, e que para que a larva tenha se desenvolvido é necessário que ela tenha tido contado com outros produtos infectados.

    E claro, para finalizar, a atendente informou que a empresa já havia tomado todas as medidas cabíveis, fazendo uma busca a fim de descobrir onde havia acontecido a contaminação. Além disso, informou que para que eu não fique com uma imagem ruim da empresa, eles me enviariam produtos novos.

    Agradeci a atendente, e informei que o problema não era necessariamente na marca GAROTO: o problema é que por um longo e penoso tempo (não quero ser exagerada, mas é provável que seja PARA SEMPRE) eu fique atormentada pela lamentável imagem do animalzinho saindo de dentro do bombom. Não é uma questão de implicância, mas sim trauma, nojo, ou qualquer outro sentido do gênero...

    Ainda deixei como sugestão que, se o problema estava na embalagem que podia ser violada pela larva, por que não mudar a embalagem? Algumas empresas inclusive já tomaram essa providência...

    Tirem suas próprias conclusões. Eu continuo sem vontade de comer bombons...

    ResponderExcluir
  2. exemplo, a culpa NUNCA É DA FÁBRICA, eles empurram a responsabilidade para a transportadora ou o comércio ¬¬'- e repare que são sempre as mesmas respostas das outras reclamações, meio que respostas (desculpas esfarrapadas) decoradas.

    ResponderExcluir
  3. Infelizmente isso poderá acontecer com quaisquer alimento consumido fora de casa(pensando que, cuja casa tenha muita limpeza). O problema são os valores que nós damos a essas empresas que estão a tantos anos no mercado, que poderíamos consumir seus produtos de olhos fechados(que não foi seu caso, felizmente). Devemos manter mais que nunca nossos olhos bem abertos para esse tipo de situação, não só para guloseimas mas também fast foods e afins. Principalmente as promoções.
    Há diversos blogs e notícias a respeito da tal Ephestia SPP que está infestando os respectivos produtos.
    Parabéns pela publicação Angélica.

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget