Translate

domingo, 28 de julho de 2013

Pílula do esquecimento

Não era a primeira vez que ele visitava aquele lugar, mas com tanta mudança, era como se fosse. 

A última vez que entrara em uma drogaria fora antes da Grande Revolução, dois meses atrás. O ambiente que antes mais parecia uma ala de hospital, com seus funcionários de roupas brancas e limpas, hoje mais parecia um botequim. Desde que o Comando pela Ordem assumiu o poder, era extremamente proibido que um civil qualquer vestisse roupas brancas. 

Ele seguiu até o balcão, relutante. O senhor que estava atrás do balcão parecia não fazer a barba há dias. Isso o assustava. Sabia que em algumas cidades os Organizadores prendiam qualquer um que fosse suspeito. A barba era, com certeza, um claro traço de rebeldia.

- Preciso de três pílulas - cuspiu as palavras de uma vez, pulando qualquer saudação amistosa. Estendeu os cartões que retirara de sua caixa de correspondências pela manhã.

O velho fitou-o com uma expressão enojada, mas pegou os papéis de sua mão. O Comando pela Ordem adoraria que todos tivessem acesso à pílula, mas a quantidade produzida era limitada. Os Organizadores sabiam que as prisões eram por si só ótimas ferramentas de controle, mas por alguma razão que nem mesmo os mais poderosos cérebros da Ordem conseguiam compreender, alguns civis não a temiam. Sim, eles sabiam que era muita benevolência oferecer-lhes a pílula como forma de sobrevivência... Mas era realmente necessário que, aos olhos dos outros países membros, fossem respeitados esses mínimos detalhes contratuais.

Ele viu o velho levantar e ir buscar as pílulas no fundo da loja. Aproveitou para observar o quanto tudo parecia abandonado. Drogarias como aquela só vendiam suplementos. A última vez que entrara ali fora para comprar remédios para sua avó, a pessoa que mais amava. Com a Revolução, tudo fora confiscado pela Ordem. Para conseguir os remédios era necessário pagar três vezes mais. Os remédios eram entregues em casa. Da última vez que fizera um pedido, um mês atrás, os remédios não chegaram. Os Organizadores enviaram-lhe uma notificação, dizendo que a entrega fora roubada por um grupo de rebeldes contrabandistas. O dinheiro não seria devolvido. Uma semana depois, a avó não conseguiu resistir a falta de medicamentos e morreu, em casa.

O velho voltou trazendo três cartelas pequenas em  uma das mãos e, com a outra, pegou um caderno velho sem pautas.

- Assine.

Assinou o nome com dificuldade. Há tempos não escrevia nada.

Antes de fechar o caderno, o velho tomou o cuidado de certificar-se que fora assinado corretamente. Ao ler o nome do jovem, não conseguiu disfarçar a surpresa. Levantou os olhos para ele, procurando reconhecer de alguma forma os traços que deixara passar. Realmente, não era possível.

- Não pode ser você... A barba! Você a tirou! Foi isso, só pode ser.... Quantas vezes vi seu rosto nas manifestações? Você apareceu em todos os jornais! Mas... como... como você pode...

- Por favor - ele o interrompeu antes que o martírio recomeçasse - me dê as pílulas. Vamos acabar com isso de uma vez.

Os olhos do velho que antes parecia tão taciturno se encheram de lágrimas.

- Você é nossa esperança! Eu imaginei que após o Dia da Queda você tivesse se juntado aos manifestantes que formaram a guerrilha... Não tome a pílula! Não tome!

Quando deu por si, ele saltara o balcão e arrancara as cartelas da mão do velho. Deixou-o deitado no chão da drogaria, chorando como uma criança.

Não esperou chegar em casa. Tomou as três pílulas, todas de uma vez. Sentiu-as cortarem-lhe a garganta, como navalhas. Engasgou, tossiu muitas vezes. Pegou a primeira garrafa que viu na prateleira e bebeu ruidosamente. Sentiu vertigens como nunca antes. Os olhos lacrimejaram, mais do que em todas as vezes que inalara os gases tóxicos das bombas nas manifestações. Tudo ficou muito claro, e era como se a luz queimasse seus olhos. Silêncio.

Atrás do balcão, o velho levantou com dificuldade, trêmulo. Ele sabia, sempre soubera. A pílula do esquecimento tinha efeitos colaterais. Ela matava a esperança.




Um comentário:

Ocorreu um erro neste gadget